Fundamental II

Ensino Fundamental II - Anos finais
O mundo está mudando rapidamente, e a educação precisa acompanhar as transformações, preparando crianças e jovens para um futuro com profissões e tecnologias que ainda nem existem.Para responder a essas transformações da adolescência, o Colégio Cata-Ventointroduz no Ensino Fundamental II novos desafios na dinâmica escolar, por meio dos quais procura manter o vínculo positivo com a aprendizagem e com o conhecimento que se constrói nas séries anteriores.

Para alcançar os objetivos, a proposta do Ensino Fundamental II doColégio Cata-Vento se baseia no desenvolvimento de habilidades como pensar criticamente, identificar e resolver problemas, fazer conexões entre desafios da escola e da vida e, claro, comunicar-se com fluência. Nesse período, os estudantes se deparam com desafios de maior complexidade, sobretudo devido à necessidade de se apropriarem das diferentes lógicas de organização dos conhecimentos relacionados às áreas. Tendo em vista essa maior especialização, é importante, nos vários componentes curriculares, retomar e ressignificar as aprendizagens do Ensino Fundamental I (Anos Iniciais) no contexto das diferentes áreas, visando ao aprofundamento e à ampliação de repertórios dos estudantes.

Nesse sentido, também é importante fortalecer a autonomia desses adolescentes, oferecendo-lhes condições e ferramentas para acessar e interagir criticamente com diferentes conhecimentos e fontes de informação. No Fundamental II, esse propósito se intensifica, e o estudo passa a ser o tema central em torno do qual se desenvolvem as propostas de ensino. É importante aprender a estudar, e o aluno deve enfrentar com segurança os desafios das diversas disciplinas do segmento. Os professores especialistas se dedicam ao ensino e à aplicação de procedimentos adequados de cada área de estudo.

Nesta etapa, estudar não se limita mais a fazer as lições propostas pelo professor. Espera-se que os alunos dediquem diariamente cerca de um hora e meia a duas ao estudo em casa, incluindo-se as tarefas propostas, as atividades de estudo e as revisões autônomas, assim como as leituras de escolha própria ou indicadas pela escola. Não se aprende a estudar apenas fazendo lições de casa – outras ações são necessárias a essa conquista.

As mudanças próprias dessa fase da vida implicam a compreensão do adolescente como sujeito em desenvolvimento, com singularidades e formações identitárias e culturais próprias, que demandam práticas escolares diferenciadas, capazes de contemplar suas necessidades e diferentes modos de inserção social. É frequente, nessa etapa, observar forte adesão aos padrões de comportamento dos jovens da mesma idade, o que é evidenciado pela forma de se vestir e também pela linguagem utilizada por eles. Isso requer dos educadores maior disposição para entender e dialogar com as formas próprias de expressão das culturas juvenis.

Há que se considerar, ainda, que a cultura digital tem promovido mudanças sociais significativas nas sociedades contemporâneas. Em decorrência do avanço e da multiplicação das tecnologias de informação e comunicação e do crescente acesso a elas pela maior disponibilidade de computadores, telefones celulares, tablets e afins, os estudantes estão dinamicamente inseridos nessa cultura, não somente como consumidores.

Os jovens têm se engajado cada vez mais como protagonistas da cultura digital, envolvendo-se diretamente em novas formas de interação multimidiática e multimodal e de atuação social em rede, que se realizam de modo cada vez mais ágil. Por sua vez, essa cultura também apresenta forte apelo emocional e induz ao imediatismo de respostas e à efemeridade das informações, privilegiando análises superficiais e o uso de imagens e formas de expressão mais sintéticas, diferentes dos modos de dizer e argumentar característicos da vida escolar.

Todo esse quadro nos impõe desafios ao cumprimento do nosso papel em relação à formação das novas gerações. Por esse motivo, preservamosnosso compromisso de estimular a reflexão e a análise aprofundada para o desenvolvimento, no estudante, de uma atitude crítica em relação ao conteúdo e à multiplicidade de ofertas midiáticas e digitais. Além disso, trabalhamos na incorporação dessas novas linguagens e seus modos de funcionamento na sala de aula, desvendando possibilidades de comunicação (e também de manipulação), educando para usos mais democráticos das tecnologias e para uma participação mais consciente na cultura digital. Ao aproveitar o potencial de comunicação do universo digital, instituímos novos modos de promover a aprendizagem, a interação e o compartilhamento de significados entre professores e estudantes.

A compreensão dos estudantes como sujeitos com histórias e saberes construídos nas interações com outras pessoas, tanto do entorno social mais próximo quanto do universo da cultura midiática e digital, fortalece o potencial da escola como espaço formador e orientador para a cidadania consciente, crítica e participativa.

As disciplinas desta etapa estão agrupadas em áreas do conhecimento:
• Linguagens (Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, Língua Inglesa e Língua Espanhola)
• Matemática
• Ciências da Natureza (Ciências)
• Ciências Humanas (História e Geografia)
• Filosofia

Nessa direção, no Ensino Fundamental – Anos Finais, contribuímos para o delineamento do projeto de vida dos estudantes, estabelecendo uma articulação não somente com os anseios desses jovens em relação ao seu futuro, como também com a continuidade dos estudos no Ensino Médio.
Esse processo de reflexão sobre o que cada jovem quer ser no futuro, e de planejamento de ações para construir esse futuro, pode representar mais uma possibilidade de desenvolvimento pessoal e social.